Página Inicial Subgêneros de terror Crítica sem spoilers: 'Scream' (2022)

Crítica sem spoilers: 'Scream' (2022)

Ghostface dá uma divertida facada no horror para os anos 2020!

by Jacob Davison
1,837 visualizações

Entre remakes, reboots, requels e assim por diante, são de todas as franquias de gênero sob o sol, como HalloweenSAW, e até mesmo Star Wars, a frase que vem à mente é “Tudo o que é velho é novo de novo”. Os filmes, e o terror em particular, têm um gancho considerável para a nostalgia e os sustos mais familiares para nós. Daí porque há uma quantidade incontável de Filhos do Milho filmes. Portanto, não é de surpreender que um dos maiores filmes de terror com um dos maiores e mais reconhecidos ícones de slashers esteja voltando com força de vinte e cinco anos para perseguir o público novamente e cortar as tendências modernas de terror. O que nos leva a Gritar (2022)! Esta resenha é livre de spoilers, então vou tentar me aprofundar sem divulgar muitos detalhes mortais…

Ghostface e Jenna Ortega em “Scream” da Paramount Pictures e Spyglass Media Group.

Woodsboro, Califórnia. Quem poderia imaginar que uma cidade pequena e tranquila fosse o marco zero para uma série de golpes e assassinatos que abalaram o país e a cultura popular (tanto no contexto dos filmes quanto na vida real) nas próximas décadas. E como as folhas ficando marrons e caindo, pássaros voando para o sul no inverno, ou a lua ficando cheia, outro ciclo acontece. Ainda outro Ghostface apareceu e está trazendo outra onda de derramamento de sangue slasher - “horror elevado” que se dane! Esse terror traz o jovem Sam Carpenter (Melissa Barrera, Nas alturas) de Modesto a Woodsboro para enfrentar os fantasmas de seu passado e lutar contra aquele que atualmente a assombra, a cidade e alguns rostos familiares da história de Punhalada...

 

Considerando as circunstâncias, uma nova Gritar seria um desafio assustador para qualquer cineasta de gênero. Particularmente tendo que seguir e preencher os sapatos do falecido, grande Wes Craven e a escrita de Kevin Williamson. Mas estou feliz em informar que a Radio Silence, a equipe por trás de filmes de terror como Em direção ao sulReady or Not provaram-se mais do que capazes de tomar as rédeas, especialmente para um novo público e década. A palavra-chave, claro, é “Requel”, uma tendência que deve ser muito familiar para os fãs de determinadas franquias. Uma continuação direta do original, geralmente evitando as sequências mais estranhas ou complicadas, enquanto nos dá um novo elenco de vítimas e/ou suspeitos em potencial, enquanto traz de volta alguns personagens legados familiares para guiar o navio.

Lr, Dylan Minnette (“Wes”), Jack Quaid (“Richie”), Melissa Barrera (“Sam”) e David Arquette (“Dewey Riley”) estrelam “Scream” da Paramount Pictures e Spyglass Media Group.

Primeiro foi sobre filmes de terror e tropos, depois sequências, depois o sistema de Hollywood, depois reinicializações, então é apenas uma extensão lógica. E funciona. Disse que o novo elenco de potenciais vítimas e/ou suspeitos também está bem escalado. Sam, de Melissa Barerra, é uma protagonista intrigante, especialmente porque as revelações sobre ela adicionam camadas ao mistério deste novo Ghostface. Embora um destaque particular para mim tenha sido Jasmin Savoy Brown como Mindy Meeks-Martin, a sobrinha do original Gritar meta-personagem Randy Meeks (que ele descanse em paz. Ele até ganha um cinema em sua homenagem na casa de Meeks.) que se estabelece rápida e sucintamente como a nova especialista em meta horror.

 

Completo com novas regras para uma nova década e foco em horror elevado vs. Punhalada estilo cortando e atacando. Com relação aos personagens legados, não só temos a santíssima trindade da franquia com os retornos triunfantes de David Arquette, Courtney Cox e Neve Campbell como Dewey Riley, Gale Weathers e Sydney Prescott, mas Marley Shelton como Judy Hicks de Grito 4. Isso cria algumas comparações e contrastes interessantes que não pareceriam muito fora de lugar com fãs de terror mais antigos saindo com a próxima geração de fãs de medo. Dewey, em particular, fazendo algumas piadas sobre quantos anos e quantas vezes ele foi esfaqueado passando por isso repetidamente e o quão farto ele se tornou.

Neve Campbell (“Sidney Prescott”) estrela em “Scream” da Paramount Pictures e Spyglass Media Group.

Quanto ao Ghostface, é a mesma bolsa e máscara antigas com um monte de novos equipamentos para um novo ano. É engraçado olhar para trás como todos os Ghostfaces anteriores tiveram que ser bastante experientes em tecnologia para operar como eles têm, e este novo não é diferente. Armado com alguns gadgets de alta tecnologia e com o know-how de como operá-los simultaneamente, esse psicopata pode levá-lo ao seu telefone fixo e ao seu smartphone. Mexa com seu GPS. E até mesmo hackear seus sistemas de segurança de casa inteligente. Adicionando uma camada de horror tecnológico em cima do medo mais básico de todos: algum maluco em uma fantasia de Halloween sangrando você com uma faca de caça. E em termos de sustos, existem algumas cenas e sequências com excelentes build-ups e pay-offs. Uma parte em particular durou tanto tempo que eu não pude deixar de rir enquanto a pura expectativa continuava crescendo e crescendo cada vez mais. Destacando que enquanto os tempos mudaram, Gritar ainda é tão engraçado quanto pode ser assustador e meta.

Ghostface na Paramount Pictures e “Scream” do Spyglass Media Group.

Em seu núcleo, Gritar (2022) é… um Gritar filme. atinge todas as batidas familiares sem recauchutar o terreno antigo. Muito difícil, isso é. Ele literalmente revisita alguns pontos familiares em torno de Woodsboro, mas o enredo é uma série muito divertida de reviravoltas. Embora o foco seja bastante singular e possa ter sido interessante ver mais dos efeitos generalizados e em cascata de mais uma série de assassinatos de Ghostface. Definitivamente servindo em escala e escopo como um suporte para livros ou imagem espelhada para o original e até onde ele e o horror chegaram em 25 anos. Na medida em que desconstrói os slashers e os tropos que os cercam, também dá nova vida e honra a eles simultaneamente. Desmontá-lo e montá-lo novamente para fazer algo novo. Quem sabe? Esta pode ser a faísca que re-ressuscita os slashers para a tela grande ou pelo menos ilumina os holofotes do horror elevado ao horror. No mínimo, todos devemos ser capazes de concordar que isso é melhor do que Grito 3. E Ghostface está sempre pronto para voltar quando os ventos e as tendências do horror estão mudando…

Gritar será lançado nos cinemas em 14 de janeiro de 2022.

4.5 de 5 olhos.